10 dicas naturais para reduzir o refluxo gástrico na síndrome do intestino irritável


Cerca de 10 a 20% da população mundial sofre de refluxo gástrico como um problema crónico que limita a sua vida e alimentação. Estas dicas naturais para reduzir o refluxo pretendem ser uma ajuda mais eficaz na eliminação deste sintoma e consequente melhoria da nossa saúde digestiva.

10 dicas naturais para reduzir o refluxo

O refluxo gastro-esofágico, mais conhecido por refluxo ou azia, é uma sensação de ardor (queimadura) que inicia no peito e pode sentir-se até à garganta. Este ardor é provocado pelo funcionamento deficiente da válvula esfíncter que está entre o esófago e o estômago, impedindo a passagem do ácido do estômago para o esófago.

Pois ao contrário do estômago, o esófago e a garganta não têm mucosa protectora contra os ácidos gástricos. Assim, a presença deste ácido pode causar uma sensação de queimadura no peito que muitas vezes é descrita como sendo parecida a um ataque do coração.

Outros sintomas comuns de quem sofre de refluxo são: dor de garganta; dificuldade em engolir; sabor ácido e amargo na boca após as refeições; náusea; arrotos; crise de soluços e inchaço. Além da dor que provoca, pensa-se que a presença repetida deste ácido no esófago pode contribuir para o aparecimento de lesões graves nas suas paredes, incluindo o cancro do esófago e garganta.

Embora na maioria dos casos o refluxo seja causado pelo enfraquecimento do músculo da válvula esfíncter. Este pode acontecer devido a outras condições e factores menos conhecidas como:

  • intolerâncias alimentares;
  • problemas de produção dos ácidos digestivos em excesso ou escassez;
  • gravidez;
  • obesidade;
  • úlceras;
  • asma;
  • síndrome do intestino irritável.

Apesar de ser pouco divulgado, é verdade, verifica-se que quem sofre do intestino irritável tem maior risco de ter refluxo ou azia. Por isso, quis explorar mais este problema de modo a encontrar algumas dicas naturais para reduzir o refluxo de quem sofre deste sintoma com síndrome do intestino irritável.

10 dicas naturais para reduzir o refluxo

Normalmente, o tratamento para o refluxo passa pela prescrição de medicamentos e mudança de alguns hábitos alimentares. Contudo, recomendo focarem-se mais na segunda opção, pois a medicação usada não vai curar o problema de refluxo, apenas bloqueia a produção dos ácidos digestivos para reduzir a dor do paciente. Estes medicamentos podem ser um bom recurso para as situações de crise, mas usados continuamente por um longo prazo, além de ser dispendioso, pode causar efeitos secundários graves e prejudiciais para a saúde.

Sabemos que pode ter efeitos secundários imediatos como obstipação, diarreia, nausea e vómito. Mas a medicação para o refluxo (mesmo os anti-ácidos sem receita médica), tomada regularmente, tem também o risco de desregular a produção dos ácidos necessários para a correcta digestão dos alimentos. Ou seja, ao longo do tempo o nosso sistema digestivo pode deixar de ter capacidade de digerir e assimilar muitos dos nutrientes necessários para o nosso organismo. Levando a casos de desnutrição, osteoporose e até infecções intestinais, uma vez que o estômago deixa de ter acidez suficiente para matar muitas das bactérias infecciosas que podemos ingerimos no dia a dia.

Felizmente, a mudança de hábitos alimentares e o recurso a algumas terapias naturais pode ajudar a reverter muitos destes sintomas e até os efeitos da medicação. E desta maneira tratar o refluxo de uma forma mais natural e sem efeitos secundários.

10 dicas naturais para reduzir o refluxo gástrico

A maioria das pessoas que sofre de refluxo nota diferença na redução e prevenção dos seus sintomas com a mudança destes hábitos de vida e a adaptação das seguintes dicas naturais para reduzir o refluxo.

Evitar alimentos e bebidas ácidas.

Por norma, é de conhecimento geral que este tipo de comida pode agravar estes sintomas ou aumentar a produção dos ácidos gástricos. Por isso, dependendo da causa do refluxo, deve-se reduzir ou mesmo eliminar por um período de tempo alimentos ácidos como café; chá; refrigerantes com gás; sumos de fruta ácida, álcool; alho e cebola.

Alimentos como laranja, tomate, pimentos e especiarias que irritam a garganta e esófago já inflamados devem ser evitados.

E também o chocolate, hortelã ou menta e as gorduras saturadas, incluído o leite gordo, uma vez que fazem relaxar o músculo da esfíncter do esófago.

Dieta baixa em fodmaps

Como referi anteriormente, o refluxo é, em muitos casos, um dos sintomas de quem sofre de síndrome do intestino irritável. Por isso faz todo o sentido experimentar a dieta baixa em fodmaps para aliviar também estes sintomas e ajudar a descobrir que alimentos podem estar a agravá-los.

E mesmo para quem não sofre do intestino irritável, mas desconfia que tem intolerâncias alimentares que podem ser a causa do seu refluxo, esta dieta poderá servir como um bom exemplo de como fazer um registo alimentar e respectiva eliminação dos alimentos reactivos para ver se existe uma melhoria dos seus sintomas. É uma boa hipótese a ponderar com o seu médico ou nutricionista.

Evitar refeições pesadas ou em excesso

Como já referi noutros artigos sobre como fazer uma boa digestão dos alimentos. Deve-se sempre evitar comer demais numa refeição por forma a não ter problemas de digestão. Neste caso, acresce o problema de se estar a forçar a válvula esfíncter para abrir e deixar passar o ácido para o esófago.

As refeições pesadas também não são aconselhadas, visto que exigem mais esforço do estômago e mais ácido digestivo para a digerir. O ideal será optar por refeições menos pesadas ou em menor quantidade.

Sumo de Aloe Vera ou Alcaçuz

O alcaçuz é um excelente medicamento natural com propriedades anti-inflamatórias para o alivio das dores de garganta e que pode ser usado neste caso para a garganta e esófago inflamados.

Já sumo de aloe vera tem ganho cada vez mais reputação na protecção contra os efeitos do refluxo no esófago, assim como na cicatrização das suas paredes.

Optar por comida mais alcalina

Principalmente em situações de crise, o ideal será escolher alimentos mais alcalinos ou neutros, fáceis de digerir e que ajudam na digestão e assimilação dos nutrientes sem irritar a mucosa do estômago e esófago. Estou a falar de alimentos como os vegetais e frutas doces, verduras cozidas e cereais leves como o millet e a quinoa.

Exercício Físico e Relaxamento

Todos sabem dos benefícios do exercício físico para o nosso corpo, mas neste caso o excesso de peso deve ser mesmo evitado, pois implica hábitos alimentares que agravam o refluxo e que colocam em constante esforço a válvula do esófago. Por outro lado, pensa-se que a actividade física regular e de média intensidade, incluindo alongamentos e yoga, ajudam a fortalecer o músculo da esfíncter e a reduzir o stress acumulado que pode agravar as crises de refluxo.

Deixar de Fumar

É fundamental deixar de fumar, além de todos os riscos que já bem conhecemos, segundo os especialistas, o tabaco também favorece a azia e relaxa o músculo da esfíncter.

Mastigar bem

Comer devagar e mastigar bem os alimentos é a melhor forma de iniciar uma boa digestão e activar as enzimas. Existem mesmo estudos que comprovam a importância da saliva como forma de encaminhar os ácidos de volta para o estômago. Por isso, é que em algumas situações se aconselha mastigar pastilhas elásticas depois das refeições, como forma de activar a saliva e reduzir o refluxo no esófago.

Suplementos naturais que ajudam na digestão

Quanto maior é o tempo que demora o estômago a digerir a refeição, maior é a probabilidade de ocorrer o refluxo gástrico. Assim, o recurso a enzimas digestivas ou outros digestivos naturais pode ser uma boa solução para algumas pessoas, para ajudar na digestão das suas refeições e assim diminuir a presença de refluxo.

Evitar deitar-se depois de comer e usar roupa muito apertada

Ao deitar-nos ainda a fazer digestão, a posição horizontal do corpo vai apertar o estômago e pressionar ainda mais a válvula do esófago para a saída dos ácidos gástricos. O recomendado é deitar-nos só 2 a 3 horas depois de comer; elevar a nossa almofada na cama e deitar-nos sobre o lado esquerdo do corpo para que a pressão sobre a válvula seja menor. No caso de quem fizer sestas depois de almoço, o melhor mesmo será mesmo fazer-se a sesta sentado.

O uso de roupa apertada também dificulta a dilatação do estômago depois das refeições, provocando o mesmo tipo de pressão na válvula e subida dos ácidos gástricos para o esófago.

Ao todo são diversas as dicas naturais para reduzir o refluxo que vos deixo para experimentarem e adaptarem de acordo com a vossa condição e estilo de vida.

Espero que possam ajudar-vos a melhorar a vossa digestão e já agora, têm mais alguma dica ou alimento que queiram adicionar a esta lista?

Partilhem os vossos comentários e sugestões aqui ou na página do Facebook. 

Bom fim de boa semana

Nutri.Healthy.Alex

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *